Escola para além das Ciências Sociais

O pós-guerra encontrou as ciências sociais numa fase de expansão e profissionalização, em que a especulação sobre o modo como reforçar a filosofia social com o método cientifico, avançada pelo positivismo, pode testar as suas capacidades de aplicação (cont.).

Vivem-se tempos de transformação, embora as nuvens ecológicas e morais nos surjam negras (cont.).

Porque é que as ciências sociais especializadas e profissionalizadas, ao fim de quase um século de desenvolvimento, desde o crash de 1929, ignoram a emergência dos fascismos? (cont.)

Não são apenas as ciências sociais que sobrevalorizam o papel do estudo dos poderes, e o papel do estado, em detrimento do bom senso e do respeito pelas pessoas. Também as ciências naturais raramente ou nunca consideram a opção zero, a de não apenas recusar trabalhar em instituições perversas, mas também promover a sua abolição. O que precisamos, perante o aquecimento global, porém, é, exactamente, abolir as suas causas de origem humana. (cont.)

As teorias sociais são, hoje, grosso modo, os restos das ideologias de esquerda em putrefacção. Cientificamente, o que há a fazer é acompanhar as discussões da biologia, sobre o que é a evolução e há que estabelecer o direito à imaginação. (cont.)

É natural que a institucionalização das ciências adopte o modo de organização dominante nas sociedades em que se produz. Porém, é da própria natureza da ciência romper com o conhecimento existente, incluindo a componente desse conhecimento que é induzida, sugerida, suscitada, imposta, pelo modo de organização. A organização centrípeta da ciência deve servir de base para a sua reorganização centrífuga, o que só será possível se os cientistas e a sociedade tomarem consciência do sequestro de que sofrem todos. (cont.)