Autodeterminação

Há uma inversão de prioridades que marca a diferença entre o conservadorismo ruralista do regime de Salazar e Caetano (em que as classes dirigentes viviam de rendas coloniais, em África ou no Alentejo) e a modernização para a integração europeia, destrutiva de todo o sector primário da economia, incluindo a soberania sobre a maior zona marítima exclusiva do Atlântico (em que as classes dirigentes viveram das rendas especulativas proporcionadas pelas actividades de infraestruturação do país).

Em termos da população, a fome que antes houve quem passasse foi substituída pela obesidade provocada pela ansiedade da falta de perspectivas de vida e pelo recurso a alimentação barata, sem que a fome tenha sido erradicada (1/3 das crianças voltam à escola durante as férias para serem alimentadas através de cantinas a que nem “se olha dente”, como se costuma dizer). O analfabetismo que se imaginava produzido pelo salazarismo, 40 anos depois da revolução dos cravos, resiste em 5% da população.

Os colonialistas empedernidos foram substituídos pelos europeístas empedernidos (o chamado arco da governação). Os compradores de matérias-primas monopolizadas nas colónias foram substituídos pelos vendedores de ilusões de progresso, a soldo de quem pague melhor. As infraestruturas nacionais estão entregues aos credores ou a quem os possa substituir. Não tem importância particular serem nacionais ou estrangeiros. O facto de terem sido sobretudo nacionais até à crise financeira e de terem passado a ser sobretudo estrangeiros depois das políticas austeritárias de manutenção da crise em banho-maria, não altera o fundamental das circunstâncias políticas: as decisões políticas estão condicionadas a interesses justificados por políticas de convergência que deixaram de sequer ser alegadas, muito menos praticadas. Os dirigentes portugueses foram reduzidos a administradores coloniais de interesses a que apenas se podem vergar gentilmente.

Os colonizados agora somos também nós, os portugueses. Claro que continua a haver colonizados mais abaixo na escala hierárquica. Dentro e fora do país. Que podemos desprezar para sacudir a humilhação, como é proposto que façam os norte-americanos, através do voto em Trump. (Na Europa não faltam candidatos do mesmo género). E que nos servem de aviso para o que poderemos sofrer caso as situações se compliquem – como através de ditaduras e guerra, por exemplo.

Como todos os colonizados, há que ser ponderado e não atrair as prioridades vingativas dos poderes deste mundo. Mas há que tomar conhecimento do poder que a solidariedade nacional possa produzir, em aliança com tanta gente que se sente colonizada, dentro e fora das fronteiras da União Europeia. Em oposição à aliança actualmente dominante entre Estados e empresas multicontinentais de monocultura. Há que privilegiar a diversidade epistémica e cultural contra o discurso único. O contrário do que fazem as nossas universidades, copiando o que se faz internacionalmente. Numa pandemia de apatia anti-democrática a que é possível reagir.

Mas não é evidente como isso vai acontecer. Mais fácil é imaginar como os gadgets industriais, os da quarta revolução, irão mudar o mundo. Sem interferência da vontade humana auto-determinada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.