2º Congresso do Observatório das Condições de Vida

O programa do 2º Congresso do Observatório das Condições de Vida teve uma diversidade de temas e de abordagens cujo sentido geral enquadro deste modo:

Centralidade do social (por oposição ao político-institucional) por exemplo muito claro na exposição de Pedro Bringue, com articulações com o doutrinário (direito e cultura, gostei imenso da ideia da ideia da centralidade do ministério ca cultura para o qual o ministério da economia trabalharia, como a centralidade do ministério do ambiente para o qual o planeamento do território trabalharia) e com as questões da saúde (burn out na educação, na saúde, emoções).

Uma discussão sobre métodos, com a questão da consideração da modernização ou desenvolvimento como hierarquização tácita (ranking) dos estados e povos e também dos estudos sociais partindo da natureza social humana, isto é da evolução da espécie, para melhor compreender as invariantes e aquilo que pode mudar em sociedade.

A presença forte de colegas e problemas brasileiros.

Vijay Prashad trouxe-nos a situação da Índia, onde metade das pessoas vive a fome crónica. Onde a luta pela sobrevivência é (ou deve ser) o centro da política (de pessoas como nós). Ele actualiza a crítica que Marx (no seu tempo, em condições de algum modo semelhantes no que diz respeito às condições de vida dos trabalhadores) fez quando separou a infraestrutura económica e a superestrutura institucional e legal. Ora, Miguel Real vem oferecer uma pista de solução teórica e metodológica para a questão. Observemos a evolução das condições de existência da espécie humana desde antes de se ter tornado homo sapiens sapiens. A que Coimbra de Matos acrescenta: atenção aos processos de hierarquização que entretanto se foram naturalizando e incorporando. Eles podem ser questionados para bem-estar e satisfação das pessoas, para escaparam um pouco ao medo ancestral enfrentando-o.

Pedro Bringue vem notar a longevidade de ligação (mágica?) à terra que justificaria a superioridade histórica da hierarquização pela renda (o prestígio social associado) e a transitoriedade do empreendedorismo, modo de criar alguma capacidade de autonomização de alguns trabalhadores, à custa dos outros, acumulando riqueza que finalmente acaba investida em bens tangíveis, em especial em terra. Cujas características intrínsecas a impedem de ser capital: não é móvel e precisa de ser cuidada e afeiçoada às necessidades das sociedades. O que coloca o problema de nos prepararmos para quando o capitalismo falir definitivamente, ao nível de superestrutura, quando deixarmos de confiar nos mecanismos técnicos ao serviço do capital, e nos confrontarmos novamente com a hierarquização social ancorada à posse da terra.

De onde a importância radical da cultura como forma de dar visibilidade e encontrar soluções práticas para estes problemas. O que significa tratar de dar importância à língua portuguesa (e à CPLP) numa perspectiva emancipatória (nomeadamente anti- extractivista, para desligar os negócios do petróleo e a promoção da língua) e dar importância à cultura científica em português (combater a hegemonia pragmática anglófona).

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.