Sentimento abolicionista

Hulsman (1993) não abandonou o espírito abolicionista, como o fizeram a maioria dos seus antigos companheiros. Manteve em si a esperança de valer a pena ser abolicionista, mesmo na sequela de uma derrota tão humilhante e desprestigiante. Para este autor holandês frequentador dos circuitos internacionais dos direitos humanos, o abolicionismo não é uma organização mas um estado de espírito que muitos desenvolvem, mesmo quando não lhe dão esse nome. Alguém que não aceite confrontar-se com a tortura e virar as costas como se não tivesse tido conhecimento, para Hulsman, é um abolicionista. Porque a maioria das pessoas conformou-se com lavar as mãos da sua responsabilidade e da sua memória até o que possa ter ocorrido. O autor constata que gente abolicionista, neste sentido emocional, digamos assim, gente portadora do espírito proibicionista, está em toda a parte. Desorganizadamente, é certo. Mas não é só a vingança que é espontânea na espécie humana. Também o abolicionismo, a empatia com quem é discriminado e está em aflição, o é.

É claro hoje como nas últimas quatro décadas temos cumprido uma política de troca de direitos e liberdades por segurança e ameaças, de confiança por medo. Se tivesse ocorrido a vitória do abolicionismo poderíamos esperar o inverso? Um aumento das liberdades, da influência do direito e da confiança? Quem pode dizer?

Não provável que a vitória do abolicionismo tivesse abolido o proibicionismo. Como o vice-versa também não foi verdade. A espécie humana não é boa nem é má. Nem Hobbes ou Maquiavel sabem melhor o que seja a natureza humana do que Rousseau ou Kant. Todos têm as suas boas análises e razões e experiências. Como, de resto, cada um de nós. Agora, a paz em vez da guerra, a satisfação de ajudar a crescer em vez de amesquinhar, organizar segundas oportunidades em vez de castigos, é uma moral que tem aplicações tanto a nível pessoal como familiar e institucional ou político. Talvez não sirva para resolver todos os problemas. Certamente a sua adopção não fará do convívio social uma experiência paradisíaca. Mas o que justifica a actual clandestinidade do abolicionismo descrita por Hulsman? Por que razão políticas compassivas para com os que passam fome ou sem abrigo, os viciados, com necessidades especiais, estrangeiros e suas descendências sem outros recursos a não ser a sua força de trabalho, passam por serem arriscadas e políticas securitárias e vingativas são sentidas como satisfatórias?  Por que razão os que desenvolvem sentimentos abolicionistas não são aproveitados e recrutados para tomarem consciência, de forma organizada, desses sentimentos e do seu valor social?

O sentimento proibicionista é a versão moderna, individualista, dos tradicionais sentimentos de vingança. Em vez de fazer justiça com as próprias mãos, como fazem alguns grupos de pessoas que vivem sem contar a existência do estado, por exemplo como aqueles grupos cujas famílias são obrigadas a manter gado ou familiares disponíveis para, a qualquer momento, quando um vizinho precisa de atirar culpas de algum mau acontecimento para fora de si e dos seus, reclama junto dessa família uma reparação pela perda em função de uma atribuição de culpa mágica. Nos tribunais, nas encenações judiciais criminais, a magia transforma-se de forma dramática e obedece a leis processuais e penais próprias. Mas o princípio é o mesmo: o sentimento de perda e de risco perante as incertezas da vida deve ser compensado, para saúde das vítimas. Para compensação dos males sofridos. Nas sociedades mais simples acusa-se uma família ou um clã inteiro, independentemente dos factos. Nos tribunais modernos acusam-se as pessoas segundo regras que não podem ser cumpridas, como a presunção de inocência ou o respeito pelos direitos civis dos presos, preventivos ou não. A influência dessas condições e outras, prévias à organização da encenação judicial, bem como os contextos sociais e políticos em que a acção decorre, são expressamente ignorados no enquadramento penal de cada caso. O calvário, digamos assim, é reconhecido como sendo apenas pessoal e não familiar. Mas há milhões de mulheres por todo o mundo, mães e namoradas e mulheres, que vivem na pobreza também porque há membros masculinos das suas famílias presos.

O sentimento abolicionista decorre da tomada de consciência e o respectivo sentimento de repugnância perante as contradições das práticas proibicionistas. É uma espécie de vingança contra a vingança, anulando-a de forma dialéctica sem a deixar de sentir. Implica, na sociedade proibicionista e securitária em que vivemos actualmente, a capacidade de agir apesar e contra o espírito de proibir.

O facto de o abolicionismo ter passado e ainda passar por um tempo de quase clandestinidade não quer dizer que não haja novas oportunidades para se afirmar. Ao contrário. O proibicionismo dá sinais de esgotamento, sobretudo dada a sua estreita e íntima relação com as políticas neo-liberais em crise. Para compreender melhor esta intimidade temos que nos virar para compreender melhor o que é a sociedade actual.

Referências:

Hulsman, L., 1993. El enfoque abolicionista: Políticas criminales alternativas. El Poder punitivo del Estado. Criminologia critica y controlo social. NeoPanopticum – Derecho, criminologia y ciencias sociales, pp.75–104. Available at: hppt://neopanopticum.worldpress.com.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.