O que fazer?

A questão levantou-se quando o Partido Comunista começou a falar de roubo dos trabalhadores organizado pelo governo e pela Assembleia da República, no tempo da Troika. O Tribunal Constitucional reconheceu a existência de roubo e legitimou-o alegando haver uma situação excepcional de suspensão da constituição e do respeito devido aos contractos de trabalho em nome da submissão aos credores imposta pelas políticas austoritárias da União Europeia (dita troika, por incluir o Banco Central Europeu e o FMI).

A questão era então global. A Primavera Árabe e as suas sequelas na Europa e nos EUA, como os Indignados e os Occupy resultaram da mesma conjuntura. Tratou-se de dar continuidade ao sistema bancário global falido em 2008, poucos anos depois de ter sido instalado. As dívidas dos bancos de então, assumidas pelos estados, continuam a sufocar o ocidente, depois das instituições político-financeiras terem imposto critérios discriminatórios e de classe sobre quais os contractos a respeitar: os de trabalho não são para respeitar, os bancários sim. Haveria, alegavam os políticos de serviço, riscos sistémicos em razão das reformas que seriam necessárias, mas estariam atrasadas.

As reformas é uma palavra de ordem do neoliberalismo que se refere à libertação dos mercados, incluindo o bancário, das regulações que não sejam as auto-administradas pelas elites empresariais. Os riscos sistémicos são a prova da inviabilidade dessa auto-administração: são os estados – como sempre foram – os garantes da capacidade de operação dos mercados.

Para evitar reconhecer o óbvio, que os riscos privados são afinal públicos, a propaganda político-financeira-económica declarou as causas do colapso do centro do sistema financeiro global algo exótico, extra-económico. Escolheram a expressão ganância para acusar alguns agentes financeiros e manter o sistema falido a funcionar. Não tiveram oposição política, e isso não poderia ser tratado como caso de polícia.

Do mesmo modo que não se esperaria do morgado o reconhecimento de que a sua ausência seria causa da perda do vínculo à terra da família e, portanto, o direito a receber as rendas, não se pode esperar das elites capitalistas o reconhecimento de que a banca que gere as suas fortunas não funciona só porque prejudica os depositantes.

Ao vulgo, a ganância foi apresentada como causa do desaparecimento de dinheiro nas contas bancárias. Ganância dos vendedores do subprime, casas para pobres, ou, antes, na Argentina, por ganância dos políticos corruptos, ou, depois, por ganância dos banqueiros quando alguns depositantes na Europa viram as suas poupanças confiscadas (o que levou a constituição de garantias públicas europeias para contas bancárias).

Por essa época questionava-me num blog sobre para que servirá a sociologia, a minha ciência-profissão. Por que me pagariam uma vida inteira para ser professor de sociologia, incapaz de intervir numa crise como a que se vivia? A primeira resposta que encontrei foi esta: o meu tipo de trabalho serve para justificar e monitorizar o estado social, para o que – como o nome indica – a sociologia foi e é fundamental. Faz parte desse fundamental a sociologia fingir que não é relevante, apresentar-se como uma versão moderna da caridade platónica desenvolvida tradicionalmente pela Igreja, ao contrário da economia que tem a mania de dominar a razão política ou da psicologia que pretende reconduzir as pessoas ao bom caminho. A sociologia estava feita para se esconder durante as crises: através do uso das estatísticas, estava preparada para tratar apenas de situações sincrónicas e normais, tornando os estudos diacrónicos e os estudos das crises meramente ideológicos, críticos, subjectivos, conjunturais.

Assim sendo, que consequências pragmáticas poderiam ser tiradas dessas conclusões? Escrevi em livro sobre como as ciências, incluindo as ciências sociais, financiadas pelo império (de momento, o norte-americano) , serviam os interesses dos seus promotores (através das ciências centrípetas, as tecnociências), ao mesmo tempo que mantinham necessariamente margens de manobra suficientes para haver espaço para inovações sociais, através das ciências centrífugas. Como notara Thomas Kuhn (1970) para as ciências naturais, também nas ciências sociais há uma divisão de trabalho entre os muitos praticantes de ciência normal ou ciências centrípetas, especializadas, aplicadas, tecnociências, a ciência que segue protocolos previamente definidos, e quem, além das ciência normais, também pratica ciências paradigmáticas, centrífugas, as que questionam a história das ciências e o modo como as ciências normais ganharam apoios para o protagonismo de que gozam, bem como algumas das propostas científicas que não conseguiram apoios ou cuja existência foi omitida da memória das ciências.

Quando trabalhei para ser sociólogo – a ciência social que alegadamente não serve para nada – estava a cumprir o desígnio previsto para a minha função social, sem me aperceber disso. Qual é essa função: difundir o espírito imperial junto das massas, apresentado como a forma educada e moderna de viver profissionalmente hoje de forma ao mesmo tempo submissa e crítica. Como explicou Lyotard (1985), no capitalismo avançado o que interessa já não são as convicções sobre justiça e identidade sociais, próprias dos nacionalismos e das classes sociais, mas antes o desempenho profissional cosmopolita, as aparências, os resultados práticos atingidos, o acolhimento do público (performance). O sociólogo deixou de pensar diferentes hipóteses de sociedades e passou a servir para melhorar o tipo de sociedade ocidental, já próxima da perfeição (Coser, 1956, p. 27; Darhendorf, 1958).Como acontece noutras profissões, há uma consciência tácita da dissonância moral entre aquilo que serve a sociedade – e é alegadamente o desejo das profissões, cada uma no seu lugar – e aquilo que serve as elites, nomeadamente quem faz as leis, os regulamentos, as regras, as avaliações. No segredo das profissões, cada qual opera no quadro de liberdade que aprende a manter entre a moral e o respeito pelos interesses em jogo, dos quais uns são mais importantes e poderosos do que outros. Concebida a sociedade como uma coisa normalizada e a sociologia como uma disciplina da normalidade estatística, há muito trabalho para fazer sem considerar a história e a possibilidade de adoptar outras formas de organização social, sobretudo quando a nova direcção do desenvolvimento fora traçada pelo fim da II Grande Guerra e pela Guerra Fria que se lhe seguiu, no quadro das Nações Unidas.

Quando tive oportunidade de ensinar que aprendi que o nosso papel profissional era o de reforçar a missão imperial que estava a destruir as condições ambientais que foram favoráveis à vida da espécie humana na última dúzia de milhares de anos, os meus alunos de mestrado (e colegas) perguntaram-me: como é possível trabalhar profissionalmente como sociólogo a partir de, ou sequer considerar a pressuposição de que tais conclusões são certas? Parece-lhes impossível desconsiderar os interesses dominantes pelos riscos profissionais envolvidos. Que responsabilidades podem ser assacada aos sociólogos pelas alterações climáticas? Parece-lhes ser um risco pessoal que não podem sustentar dispensar tempo de reflexão sobre os modos de escapar aos desígnios que fundam a existência da profissão. Que se houver oportunidade de se libertarem dos actuais constrangimentos, dos limites da ciência centrípeta, que essa liberdade venha de fora, de cima ou de baixo.

A generalidade das pessoas formadas em sociologia ganha o seu pão em empregos que pouco ou nada têm a ver com sociologia. Mas, ainda assim, quem está em cursos de sociologia aspira a ser profissional em sociologia, em vez de aprender a perceber o que seja isso de uma sociedade. Quer dizer: a experiência mostrou-me que não estou em condições de convencer ninguém daquilo que para mim é hoje uma evidência: estamos presos em círculos sociais fechados entre si e voluntariamente ignorantes do se passa fora desses círculos. Assim, evitamos enfrentar os riscos das misérias e das guerras. Pagaram-me uma vida inteira para eu ajudar a difundir a ideologia de que vivemos no melhor dos mundos possível e que, portanto, só nos resta alinhar – criticamente, claro.

Posso refilar contra isso, mas de pouco serve. A ciência e as escolas estão a ser usadas contra os interesses gerais e de cada pessoa, incluindo as que nelas trabalham e vivem? Queixo-me de estar de barriga cheia, com tempo e dinheiro para pensar? Os pobres e injustiçados que alegadamente teriam mais interesse em se desvincularem das políticas opressivas não dizem o mesmo nem da escola, nem da ciência, nem do império. Porque haveria o simples estudante de sociologia, uma das licenciaturas fácies de completar, de considerar argumentos deprimentes e exigentes como compreender a natureza humana, pôr em diálogo as ciências naturais e as ciências sociais abertas a todos os outros tipos de sabedorias, denunciar o impacto ambiental da missão imperial de explorar a Terra?

Há muita coisa a mudar para que a nossa sociedade ocidental se torne aceitável. O que é certo, como se ouve a respeito da guerra, é que o maior partido é reaccionário: é o partido da defesa do “nosso modo de vida” ou o do “quando voltamos ao normal?”, mesmo sabendo que o que fazemos em conjunto é insustentável ambiental, política e socialmente. Tal partido inclui os saudosos do fascismo e os democratas que nem querem ouvir falar de paz ou de defesa do meio ambiente ou da igualdade de género.

Estamos a caminhar em sentido inverso das condições culturais que poderão favorecer reformas de democratização, de libertação, de racionalização. O que não quer dizer que, de um momento para o outro, uma nova onda de transformações sociais – como a Primavera Árabe que respondeu às políticas austeritárias – não espolete novas reformas. Assim, o que fazer?

Combater o fascismo e os democratas belicistas e punitivistas é muito difícil. Aguardar por um futuro em que venha a ser possível pensar de outro modo – seja com o fim da guerra que continua as políticas austeritárias, seja com a organização de processos de adaptação às alterações climáticas – significa dar testemunho de que outras formas de organização social são possíveis, como aspiravam os primeiros sociólogos. Durante a minha vida, vivi o fascismo, o PREC, a adesão à CEE em Portugal, a adesão à moeda única, diversas crises financeiras, fortes alterações de nível de rendimentos, novas ameaças de guerra nuclear.

Os jovens não fazem ideia de que as sociedades são criações humanas. Julgam que são máquinas, computadores, que comandam a nossa vida. Não sabem que um dia iremos ter de destruir toda a tecno-esfera que encobre o poder das elites. Mas isso ocorre ciclicamente.  Entusiasmados, tomam para a si a tocha de impérios anteriormente dominantes, manifestando-se contra o império alheios – como aconteceu com a Inglaterra que aboliu a escravatura ou os EUA que lutaram contra o colonialismo ou os impérios comunistas herdeiros dos impérios Russo e Chinês. Preparam-se para a guerra, seja ela entre nações ou contra o sistema anti-ecológico em que vivemos.

No fim da vida útil resta-me oferecer o meu testemunho. Como disse acertadamente Warren Buffett, são eles, os norte-americanos e os muito ricos quem está a ganhar a luta de classes. Ao contrário de alguns, não fico satisfeito por os russos ou os chineses, também eles muito ricos, estarem em guerra com o ocidente. Sobretudo porque isso inibe ainda mais os esforços de adaptação às alterações climáticas. Denunciar a ciência centrípeta normal tem custos e, sobretudo, não seduz sociedades meritocráticas que adoram profissões, independentemente das missões para que trabalham. Mas há que insistir e esperar pelo momento certo, provavelmente só após algum desastre global bélico ou/e ambiental.

Link para Que fazer? (1) ; Que fazer? (2); “Que fazer?” (3)

Referências:

Coser, L. A. (1956). The Functions of Social Conflict. Free Press.

Darhendorf, R. (1958). Out of Utopia – Toward a reorientation of Sociological Analysis. American Journal of Sociology, LXIV.

Kuhn, T. S. (1970). La structure des révolutions scientifiques. Flammarion.

Lyotard, J.-F. (1985). A Condição Pós-Moderna. Gradiva.

 


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
António Dores (6 de Junho de 2024). O que fazer? Para que serve a Sociologia? Recuperado em 19 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/11s0n


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.