A minha experiência no Juntos Podemos (13-12-2014)

Pode ser que os avisos do Nuno sobre estar-se a proceder como do costume tenham tido algum efeito. Mas a verdade é que fui à sessão da manhã de sábado, por convite do animador da “auto-organizada” sobre justiça social e igualdade, porque era dedicada à apresentação e discussão do Rendimento Básico Incondicional (RBI), que anima um grupo de gente de que sou parte.

A sessão correu participada. Cerca de 25 pessoas estiveram presentes e quase todos se pronunciaram numa boa organização de uso da palavra por 3 minutos, que durante duas horas permitiu, grosso modo, dar duas voltas às pessoas.

Foi gratificante o RBI merecer aquela atenção. A 15 minutos do fim alguém – infelizmente do lado dos defensores do RBI – lembrou-se de que seria importante votar propostas para o plenário. Proposta a que imediatamente me opus alegando não ser democrático aparecer com propostas do nada para apreciação de um grupo de pessoas que não se conhece de lado nenhum com o objectivo de fazer vingar ideias preconcebidas. No que fui apoiado por vozes. Mas não foi possível evitar que alguém pegasse na palavra para abandonar a troca de impressões sobre o RBI e começar a ponderar escrever no quadro propostas que pudessem ser votadas. Levantei-me e vi-me embora da sala.

Na verdade isto são práticas anti-democráticas que as pessoas são levadas a acompanhar para poderem participar. Mas são práticas anti-democráticas. Porque ninguém reage opondo-se-lhes com a firmeza indispensável? Só há uma resposta: porque a democracia não é um horizonte desta gente. Zarpei cheio de razão e não voltei (aliás nunca tinha equacionado a hipótese de voltar; não fosse a raiva que me deu, talvez tivesse ficado para ver o que aconteceu com o Podemos Lisboa que foi logo a seguir).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.