À procura de eco na Biologia

Cara Bióloga,

Sou sociólogo convencido da bondade da sociologia (e das ciências sociais) continuarem o caminho para se tornarem ciências como as outras (as ditas duras), como a biologia. Isto porque admito que as ciências têm a ganhar com isso. Foi o que entendi dos livros de Damásio.

É claro que é um sonho acordado. Não faço ideia de como posso contribuir para o tornar realidade, já que a divisão de trabalho esmaga tudo. A sua simpatia, porém, fez-me ganhar coragem para estabelecer consigo um diálogo imaginado.

O medo é uma emoção de muitos seres vivos. Apostei que o medo era a emoção social por excelência. De facto sentimo-lo quando começam as preparações para o acasalamento ou quando temos de sair da nossa área de conforto para procurar alimentos (ou estabelecermo-nos numa profissão). O medo pára ou estimula a acção dos animais. Portanto, não é o medo a causa da acção. Teremos de compreender as configurações complexas que geram a acção.

Os animais não são sistemas fechados. Como cada pessoa ou outra forma de vida também não o é. Não são emissores/receptores de mensagens. São elementos de um contexto que se fecha e abre ao mesmo tempo em diversas direcções no espaço-tempo-energia. A sociedade (o modo como os elementos momentaneamente organizados em sistemas mais fechados que abertos se relacionam entre si, abrindo-se) é um nível de realidade (definido por ser perturbável por acções a determinado nível de espaço-tempo-energia) especialmente denso (entre níveis de realidade ainda mais etéreos, como as normas ou a espiritualidade impostas de cima para baixo, de que conhecemos a existência nos seres humanos e chamamos em geral homeostasia). A sociedade funciona como um meio, mais ou menos condutor de sinais e mensagens (emocionais ou não), no qual estão mergulhados corpos que se fecham e abrem perante ela.

Em termos práticos: o esquema, emissor-mensagem-receptor ignora o meio ambiente. As características desse meio podem ser identificadas através do estudo da “sociedade” (definida como acima fiz). A sociedade é parte integrante do “corpo alargado” individual; deixa traços da sua presença coerciva (de cima para baixo) nos corpos que a constituem. Esses traços podem ser, portanto, identificados nas células, nos genes, no comportamento dos indivíduos. Podemos registar as corporizações (de baixo para cima) correspondentes às incorporações (de cima para baixo) – sinais da existência real (e não meramente imaginária) da sociedade.

Aqui está a minha aposta. Fazer da sociologia uma ciência como as outras. Falta-me tudo: conhecimentos metodológicos e oportunidade para os construir a partir dos saberes disponíveis pela ciência.

Pensei que pudesse compreender o que aqui lhe deixo. Pode ser que um dia esta conversa tenha algum eco, algures.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.