Humanização da sociologia (6)

Geografia, biologia, história e espécie humana

A repugnância relativamente ao biologismo entre os sociólogos decorre não do estado da biologia – ciência em grande e boa evolução nas últimas décadas – mas antes do fechamento da teoria social sobre si mesma e sobre os seus preconceitos discriminatórios. De modo equivalente, a repugnância face à ideologia (não dominante) é um modo de aplicar a neutralidade axiológica de modo incorporado pelas escolas de sociologia (e não crítico), a favor da valorização da parte visível, não censurada, da realidade social. Abandonando a ideologia científica da descoberta, isto é, da reavaliação das ideias de senso comum de modo a incluir a apreciação dos fenómenos não observados (por estarem fora do alcance da sensibilidade vulgar).

Trazer à sociologia as discussões sobre a constituição biológica da espécie humana, no quadro nacionalista, ocidentalista, tecnicista, de obsessão pela hierarquização (José Carlos Gomes da Silva, O Discurso Contra Si Próprio, Lisboa, Assírio e Alvim, 2003), seria motivo, dizem provavelmente com razão, para assanhar os processos discriminatórios.

Porém, pode contra-argumentar-se, a discriminação não está na biologia mas na sua interpretação nacionalista, ocidentalista, hierárquica, a que a teoria social não é alheia. Mas de que pode vir a ser crítica. Como a biologia já o é.

A discriminação ou é própria da natureza humana e inelutável ou é uma construção cultural e social reversível. Admitindo este último caso, a compreensão das dimensões biológicas da existência humana podem ajudar a encontrar formas de incorporação de disposições anti-discriminatórias. Ao fazê-lo, alargar-se-á e aprofundar-se-á a aliança científica anti-discriminatória entre a sociologia e a biologia. Nomeadamente no campo extraordinariamente activo da bio-ética. A que, portanto, há vantagem em juntar capacidades e competências de discussão jurídica, normativa, ideológica.

O que parece preciso fazer é abrir as ciências sociais, como sugeriu Wallerstein (Immanuel Wallerstein (coord.), Abrir las ciencias sociales, Madrid, Siglo XXI, 2006 [1996]). Em particular tomar por objecto de estudo não pedaços da sociedade moderna mas toda a experiência humana, como sugere e exemplifica Morris (Ian Morris, O Domínio do Ocidente, Lisboa Bertrand, 2013 [2010]). São 500 gerações que devem ser consideradas objecto de estudo das teorias sociais, onde devem poder colaborar antropólogos e sociólogos, psicólogos e historiadores, arqueólogos e biólogos, juristas e geógrafos. Sem discriminações disciplinares preconcebidas. Com respeito pelas diferentes tradições intelectuais. A que há que dar uma volta.

David Harvey, por exemplo, descobriu as vantagens de juntar ao lote de competências dos geógrafos as das teorias sociais, na condição de elas próprias serem capazes de se abrirem mutuamente (David Harvey, Spaces of capital: towards a critical geography, NY, Routledge, 2011).

Prigogine batalhou para abrir as ciências duras à irreversibilidade (Ilya Prigogine, O Fim das Certezas, Lisboa, Gradiva, 1996). Argumentou ser preciso deixar de nos concentrarmos nos laboratórios, onde se estudavam esforçadamente as condições excepcionais de equilíbrio, situações raríssimas de encontrar na prática. A ciência deveria passar a ser capaz, como a meteorologia, de acompanhar a história dos fenómenos e objectos de estudo. Em vez de nos deixarmos surpreender pela nossa própria ignorância.

Por exemplo, na época em que somos confrontados com a política da dívida (experiência porque passaram recentemente muitos outros estados e povos, mas de quem sobranceiramente acreditámos serem de “outro campeonato”, como consequência dos processos vulgares de discriminação, sociologicamente acatados) saber que tal forma de fazer política tem cinco mil anos é uma abertura cognitivamente relevante (David Greaber, Debt – the First 5000 Years, Melville House Publishing, New York, 2011). Do mesmo modo, vale a pena reapreciar os modos como outras civilizações humanas colapsaram, para podermos ter uma ideia mais abrangente daquilo que está em jogo actualmente (Jared Diamond, Colapso – ascensão e queda das sociedades humanas, Lisboa, Gradiva, 2008 [2005]).

A concepção sociológica mecanicista que opõe uma realidade individual redutora, fechada num corpo imaginado como cabide para pendurar propriedades concebidas administrativamente para classificar as populações humanas, a uma realidade social reificada, centrada nos feitos heroicos da modernidade, criticada por (Nicos Mouzelis, Sociological Theory: What Went Wrong? – diagnosis and remedies, London, Routledge, 1995), pode ser ultrapassada? A macro e a micro sociologia podem evaporar-se, misturando-se entre si?

(Michael C. Corballis, The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization, Princeton University Press, 2011) apresenta convincentemente as necessidades e capacidades recursivas dos seres humanos como a sua característica mais distintiva, relativamente a outras formas de vida. As pessoas nascem equipadas com uma necessidade capacidade de reflectir sobre o passado e sobre o futuro, como quem vive num quarto de espelhos. O habitus identitário e as expectivas de realização são, efectivamente, dimensões relevantes da nossa existência. Poderemos acrescentar a esta recursividade no tempo uma recursividade no espaço, a que opõem a reflexão sobre o corpo e o seu estado (António Damásio, Ao Encontro de Espinosa – As Emoções Sociais e a Neurologia do Sentir, Lisboa, Europa-América, 2003) e a reflexão sobre a nossa relação com o cosmos e a morte (Paul Diel, La peur et l´angoisse, Paris, Petite Bibliothèque Payot, 2004 [1985])? Nesse caso viveríamos em bolas de recursividade espacio-temporal que nos expenderiam muito para lá dos nossos corpos. Para o interior, na direcção das formas de vida que constituem os nossos corpos, incluindo os organismos simbióticos em número 10 vezes superior ao das células do nosso corpo, embora com massa apenas de 1 a 2%. Para o exterior, para o cosmos, através de sistemas de energias que se vamos explorando e descobrindo, física e mentalmente.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.