Praxe e fascismo

Por ser frequentador assíduo do Estádio Universitário, em Lisboa, observo regular e distraidamente as práticas das praxes. Porque sou professor universitário, recordo-me de quando as praxes se começaram a impor às aulas. Primeiro durante uma semana. Depois por mais tempo. Paulatinamente foram aparecendo estudantes fardados nas aulas. As praxes foram proibidas dentro dos recintos universitários e passaram a praticar-se virtualmente todo o ano nas imediações das faculdades.

Grande gritaria, palavrões que baste, pinturas de guerra, marchas daqui para acolá. Dizem-me que é para integração social (todo o ano?). Com o caso das mortes no Meco fiquei a saber da constituição de uma hierarquia da praxe com códigos secretos publicados e uma tendência para o endurecimento do tratamento entre pares e junto dos caloiros, por ser essa a ideia dominante sobre o que seja a integração social. Era tanto mais integrado quem detivesse um lugar de poder, tão elevado quanto possível, numa hierarquia de excelência na aplicação de programas auto consentidos de violência gratuita, a pretexto de não haver nada de melhor para fazer. A dinâmica institucionalizada reclamava mínimos de integração para quem quiser participar em actividades como cantar ou tocar nas tunas académicas. E oferecia uma carreira de integração social feita de maus tratos auto infligidos e estimulados mutuamente por adoradores da hierarquia assim gerada.

Da discussão pública recordo a boçalidade alarve e ignara do Dux de Coimbra, levado à RTP ao programa Prós e Contras para representar as praxes directamente. Figura hierárquica máxima, terá eventualmente sido apresentado como demonstração de a hierarquia ser em si mesma a finalidade da praxe. Não interessa quem esteja a ocupar os lugares. Qualquer imbecil tem a mesma probabilidade de subir na hierarquia como outro qualquer.

O argumento único em defesa da praxe foi a liberdade. Liberdade de fazer o que quiser, como montar uma hierarquia, por muito imbecis que sejam a ideia e as pessoas que nela participam. Defendido por todos os dirigentes associativos presentes. Nenhum se declarou adepto da praxe e todos se limitaram, com a máxima ingenuidade que o dirigente associativo pode manifestar, defender a liberdade de expressão daqueles que ali, no debate público, não se manifestaram a não ser por figuras menores e anónimas.

É esta a formação política dos nossos jovens? É, sim. É a formação política que ensinamos em sociedade e também nas universidades.

A mesma irracional irresponsabilização aconteceu quando chegou a hora de assumir responsabilidades pelas mortes no Meco. A cobardia do Dux foi defendida por toda a hierarquia secreta. E a mentira foi o prato do dia. Para efeitos de defesa jurídica perante os apelos à instauração de acusações criminais contra o jovem sobrevivente da noite fatídica.

Tudo isto não pode deixar de fazer moça no prestígio daquelas actividades de integração social, a que Mariano Gago, com frontalidade de louvar, chamou fascistas. Infelizmente tal intervenção não suscitou um debate mais sério sobre – precisamente – o fascismo. O que foi e o que é. E o que é que a praxe terá a ver com o fascismo.

O fascismo poderá ser definido como um modelo de integração social hierarquizado com idolatria do chefe e em particular do chefe máximo, em que este raramente assume responsabilidades e jamais aceita ser escrutinado? Modelo de integração alegando vinculação a tradições populares eternas, ignaras e buçais imutáveis? Hierarquia controlada informalmente por eminências pardas – como a brigada do reumático ou os ultras – capazes de condicionar a acção dos dirigentes visíveis – como o Presidente do Conselho (de ministros) e o Presidente da República – portanto à margem dos regulamentos e leis alegadamente em vigor mas na prática escritas para inglês ver?

Pessoalmente odeio praxes. E apenas uma vez fui confrontado com isso, na minha juventude. Achei um abuso o que me fizeram, sabendo todos os abusadores perfeitamente que não aceitaria que mo fizessem. Não me esqueço do sorriso da autoridade (um adulto) que autorizou e incentivou o abuso: “Não custa nada! Vês?” Custa ser humilhado e lembrado da nossa impotência perante o mundo, a começar pela falta de solidariedade dos companheiros, neste caso desportivos. Uns imbecis aceitaram cumprir os desejos do chefe, não apenas praxando-se mutuamente como impondo a praxe a terceiros. Não aceitei. Fez-se. E não se falou mais nisso. Falo disso agora. Porque é a hora de voltar a recordar os tempos do fascismo já vivido. Para que nunca mais se volte a viver aquilo que alastra a olhos visto pela Europa: na Rússia, na Ucrânia, na Hungria, na Grécia, em França, no Reino Unido, na Holanda.

Ao passar pelo Estádio Universitário em Setembro de 2014, no ano seguinte ao caso das mortes de praxistas no mar do Meco, os grupos da praxe estavam sobretudo formados por gente fardada (menos caloiros que no ano anterior) e, mais importante, não havia gritaria: decoravam-se os versos de uma canção de cujos versos não me pareceu ouvir palavrões. Não se pode tirar um padrão de uma observação ou duas, num único dia. A praxe é hoje um negócio com estabelecimentos especializados na venda de produtos para a praxe aberto todo o ano. E os praxistas organizam actividades todo o ano. Com excepção das férias.

Junto da Faculdade de Direito um grupo de uns cinquenta fardados sentava-se à volta de um outro. De pé usava da palavra: “Que nos chamam cobardes, vá. Agora que nos falem de mortes? Isso é demais!”. O grupo respondeu em coro, como acontece nas igrejas: “Sim, chefe!”

Nunca tinha assistido a uma coisa assim. Será que voltarei a assistir? O jovem que falava continuava a falar no meio do grupo de adoradores … de quê? Das fardas? Da praxe? Do chefe? Do fascismo? Da cobardia? Da morte não eram adoradores, parece. Para já.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.