Espírito abolicionista

Este blog nasceu do questionamento sobre a utilidade da sociologia para lidar com problemas sociais. Questionamos as relações da sociologia com a política, quando a primeira se auto-proclama ideologicamente isenta num mundo caracterizado por alguns como o fim das ideologias e da história. Questionamos as relações da sociologia com as condições de vida das pessoas, ignorando – por exemplo – a fome quotidiana que afecta quase 1/3 da humanidade e a torna incapaz de assumir protagonismos que esperamos de pessoas modernas pró-activas. Questionamos a estratégia em que a sociologia se integra de promoção da humanização da humanidade, ou a justiça social perspectivada na acção dos profissionais. Pensamos que é preciso compreender e discutir os fundamentos epistemológicos da teoria social, em particular o modo como temos separado artificialmente as diferentes dimensões sociais, sem exigência de confirmação empírica.

Esta página é dedicada à apresentação de uma perspectiva de democracia abolicionista, uma forma de pensar a transformação institucional e civilizacional em curso com sabor intervencionista. Quer dizer, através de uma ideologia capaz de abrir o espaço das ciências sociais à necessidade de conhecimentos biológicos – sobre como funcionam os corpos humanos – e doutrinários – o que desejam e são levados a desejar esses corpos em meio social. Perspectiva centrada na promoção de uma nova forma de procurar a justiça.

(1) Espírito abolicionista

(2) Repugnância perante o securitarismo

(3) Sentimento abolicionista

(4) Sociedade misógina, elitista e dissimulada

(5) Sistema criminal penal

(6) Os usos privados do sistema criminal penal

(7) Notas finais

(8) O Estado penal, de Loïc Wacquant