Dimensões

Dimensões sociais (0)

Por uma definição conceptual de sociedade

A influência da epistemologia liberal e nacionalista de Max Weber na sociologia pode ser revelada pela persistência e resiliência da estrutura de análise cartesiana típica das teorizações sociológicas (juízos de facto autónomos relativamente aos juízos de valor, razão versus emoção, realidade versus intenções). As ausências da história e da dialéctica no centro das teorias sociais, a sua presença optativa, especializada e controversa nos debates sociológicos, mostram como a influência de Marx é bem mais limitada, apesar da luta entre o materialismo e o idealismo, entre o micro e o macro – de origem cartesiana – serem contribuições marxista muito presentes.
O sucesso da aliança entre weberianos e neo-marxistas na teoria social actual decorre desta articulação cartesiana entre teorias originalmente contraditórias dos dois autores clássicos (racionalização como processo de inspiração que se realiza à semelhança de como Deus influencia a existência humana, em “espírito do capitalismo”, em Weber, e isso de pernas para o ar, dialética entre infraestrutura e superestrutura em Marx). O que também explica a menor atenção da sociologia actual às contribuições holistas de Durkheim, nomeadamente à ideia de sociedade como um todo etéreo mas integrado existente a níveis de realidade mais elevados do que os níveis da existência pessoal. O autor francês é o único que coloca a sociedade em concorrência e no lugar de Deus. Naturalizando-o.
Há uma correspondência óbvia entre esta constatação e a aliança prática e política entre correntes e sensibilidades sociais liberais, nacionais e socialistas em torno da reconstrução do capitalismo no período do New Deal e do Plano Marshall para Europa Ocidental no pós-guerra. Nomeadamente a respeito do processo de representação política – a profissionalização dos políticos que substituiu a política apenas acessível aos homens mais abonados – e de concertação social – em que os parceiros sociais são os protagonistas da luta de classes, com exclusão dos outros, mesmo quando estejam organizados em conselhos de consulta política para os diferentes sectores de produção de políticas públicas.
O decurso histórico do capitalismo avançado ou da pós-modernidade revelaram uma complexificação do Estado Social e mesmo a sua subversão. Em larga medida pela proliferação de candidatos a parceiros sociais e pela especialização de cada um dos sectores encarregues da dispersão de interesses, em favor da concentração de poderes, nomeadamente em função de critérios financeiros e em desfavor de critérios económicos e sociais.
As disciplinas sociais dividiram-se de acordo com os critérios de poder desenhados por Max Weber, a saber, a política, a economia, o prestígio social, a que foi acrescentado por Parsons a cultura, sobretudo a certificada por via escolar, esse processo extraordinário de construção de mercados nacionais integrados onde todos falam uma mesma língua oficial ensinada e incorporada desde a infância. Processo apresentado por Bourdieu como o centro da reprodução social das sociedades e das desigualdades modernas, ao mesmo tempo que também foi um modo de ascensão social eficaz. Cujo prestígio e viabilidade está actualmente em causa com as novas políticas de mercantilização do ensino e competição globais.
A monitorização da profundidade e intensidade das desigualdades sociais tem sido uma das principais tarefas de investigação da sociologia, enquanto a ciência política se interessa pelo sistema político e a economia pela gestão do sistema económico, como se a sociedade fosse uma dimensão de organização de capacidades e solidariedades lubrificante (representações, certificações, classificações, reconhecimento de competências) preparada para ser dominada e explorada por sistemas Hobbesianos, competitivos, ansiosos e sedentos de sacrificios. O que levou Michel Burawoy (2004), com a intenção de revolucionar a actual situação, a retomar Polanyi e Gramsci para apelar à sociologia pública, isto é, à reconsideração da sociedade como uma das dimensões de afirmação de poder, de preferência prioritária, entretanto secundarizada pela política e pela economia.
Será possível dar mais peso à sociedade em rede actual sem refazer a nossa própria concepção do que seja a sociedade? Na era da globalização, qual é o lugar das economias e dos estados nacionais nos fluxos globais de capitais, pessoas e poderes? Qual a capacidade das regulações normativas, incluindo o direito e os tribunais, mas também os reguladores e as instâncias internacionais que produzem recomendações, como a ONU ou o Conselho da Europa? Como dar conta das desigualdades que convivem no mesmo território entre os que habitam os condomínios fechados protegidos e os bairros problemáticos usados como bodes expiatórios de alegados sentimentos de insegurança? Como entender o uso sistemático de política de discriminação para dividir e reinar usada pelos estados nacionais, interna e externamente, quando, por exemplo, usam listas de estados e grupos terroristas justificativas da subversão dos princípios do estado de direito (Jakobs & Meliá, 2003)? Que diferença há entre esses modos de proceder e os que, dentro da UE, têm classificado os países do Sul como PIGS (literalmente porcos), tratados como foram e são tratados países colonizados pelas políticas internacionais de controlo financeiro das desigualdades (Perkins, 2004)?
A sociedade em processo de integração, imaginada pelos processos de legitimação dos estados modernos, construtores de mercados nacionais, está estilhaçada pelas dinâmicas de relocalização e de globalização cosmopolitas, competitivas e estigmatizantes, impostas a todos os estados, numa luta de todos contra todos, uns dominantes e outros dominados, uns trabalhadores e outros preguiçosos, uns ricos e outros pobres, uns cobradores de impostos e outros não. Como podemos dar conta em termos sociológicos da tendência pesada da época actual de trocar liberdades nacionais prestigiadas em todo o mundo, em geral conhecidas como direitos humanos, por segurança (de quem?) conhecida em todo o mundo como injusta e injustificada a não ser pelo desejo de amesquinhar e explorar a natureza, incluindo as pessoas excedentárias?
Porque a teoria social tem aceitado, concentrada no estudo dos poderes, observar de tão longe e distraidamente o bem-estar substantivo e efectivo das populações? Porque se alheia dos aspectos sanitários e de saúde, incluindo o aspecto mental e identitário do bem-estar pessoal e social, como notam Lahire (2003, 2012) ou Therborn (2006)? O que fixa na dimensão dos poderes a sensibilidade das teorias sociais?
O que é a sociedade? Será a herdeira da gaiola de ferro desenhada em Versailles, para pacificar os instintos belicosos estimulados pelas honras aristocráticas (Elias, 1990)? Será o olhar socio e etnocentrado sobre o que sejam as populações, em baixo, a partir de lugares do Estado, onde há empregos para sociólogos? Ou a sociedade será uma dimensão da realidade da vida humana cujo desenvolvimento extraordinário – em termos de cooperação e de construção de mundos virtuais – caracteriza a espécie relativamente a outras formas de vida?
Será impensável, como reclama a escola de Frankfurt, procurar estabelecer uma ciência universalmente válida para estudar a sociedade, qualquer sociedade, moderna ou não, como resultado da evolução da vida e, portanto, de uma história concreta mas, ao mesmo tempo, determinada pela estabilidade genética da espécie humana, sem a qual não haverá humanidade nem sociedade?
A pretensão de encontrar formas de sociabilidade universal, como a consciência colectiva ou solidariedade ou religiosidade, caras a Durkheim, podem servir de inspiração para desenhar uma fuga da actual situação de estagnação da teoria social (Mouzelis, 1995). O positivismo imaginou ser capaz de transformar a filosofia social numa ciência integradora de todos os saberes científicos mais simples. Hoje sabemos, ao contrário, que são as ciências sociais que parecem simples perante os progressos das ciências duras. E que o imperialismo sociológico foi um erro próprio de entusiasmos juvenis. Mas haverá razão para nos determos no caminho, entre a filosofia social e a ciência, e fixarmos as nossas ambições num espaço de ciências sociais dispersas (Lahire, 2012:319-356) a apanhar as migalhas dos fundos de um sistema científico desconfiado da nossa competência e utilidade?
As dimensões do corpo e das emoções, do lado de baixo, da espiritualidade e das intencionalidades, do lado de cima, são exemplos de flagrantes ausências de consideração da teoria social dominante, injustificável do ponto de vista das necessidades cognitivas. Também a desconsideração d6os estudos sobre a violência e a face, enquanto formas de mediação entre dimensões e níveis sociais é estranha, porque são omnipresentes e é praticamente impossível passar sem delas nos darmos conta. Mesmo assim são sumariamente excluídas das nossas análises. Será possível retomar a discussão do que seja a sociedade? Quer a sociologia revelar isso ao conhecimento científico? Será possível questionar as actuais dimensões sociais de modo a reconstruir as principais referências sociológicas e faze-las passar a integrarem aquilo que actualmente está excluído do nosso campo de atenção?
Referências:
Burawoy, M. (2004). For a Sociological Marxism: The Complementary Convergence of Antonio Gramsci and Karl Polanyi. Politics & Society, (31), 193–261. Retrieved from http://pas.sagepub.com/content/31/2/193.full.pdf
Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) (1a edição .). Lisboa: D. Quixote.
Jakobs, G., & Meliá, M. C. (2003). Derecho Penal del Enemigo. Madrid: Cuadernos Civitas.
Lahire, B. (2003). O Homem Plural – As Molas da Acção. Lisboa: Piaget.
Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales (Couleur de.). Paris: Seuil.
Mouzelis, N. (1995). Sociological Theory: What Went Wrong? – diagnosis and remedies. London: Routledge.
Perkins, J. (2004). Confessions of an Economic Hit Man. Berrett-Koehler Publishers.
Therborn, G. (2006). Meaning, Mechanisms, Patterns and Forces: an Introduction. In G. Therborn & (ed.) (Eds.), Inequalities of the World – New Theoretical Frameworks, Multiple empirical approaches (pp. 1– 58).

(1) A formação do pensamento sociológico – O suicídio das ciências sociais
(2) O encobrimento da violência estruturante
(3) Processos de desvirtuamento dos valores modernos
(4) A desumanidade do pensamento centrípeto
(5) Pensamento elitista
(6) Pensamento misógino
(7) Pensamento dissimulado e desenrasca
(8) Natureza humana
(9) Níveis de análise e níveis de realidade
(10) Dimensões sociais e ciclos solidários e emancipatórios
(11) Dinâmicas, instituições e identidades modernas
(12) Dependência cognitiva do conceito imperial                                      (13) Sociedade como paraíso                                                                                 (14) Perspectiva generativa sobre os estudos sociais

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *